Lê, e então?

Dia da Família -15 de Maio

Família. A de sangue, a de coração, a emprestada e aquela que pela vida se ganha. Família de sangue não se escolhe. Ganhamo-la à nascença, nunca a poderemos trocar e, quer queiramos, quer não, é a eles que sai o nosso nariz abatatado ou o nosso feitio arrebitado. É a eles que devemos o nosso …

Continue Reading
Lê, e então?

Amor sem “amo-te”

E se não existisse a palavra “amo-te“? Se riscasses do teu dicionário um “gosto de ti” ou mesmo um “adoro-te“? Como conseguirias demonstrar por palavras aquilo que sentes e que sabes que é amor? Como te irias declarar e fazer entender? Aposto, se fores daquelas pessoas de mais demonstrações, que até já podes ter dito …

Continue Reading
Lê, e então?

O que fazes com as saudades?

Diz-me o que fazes com as saudades.  Conta-me: divides as saudades pelo teu dia ou sentes todas de uma vez? De dia ou de noite? Quando é que as saudades te entram mais pelo peito? Depois de um dia de trabalho, quando começas a relaxar? Ou logo pela manhã, antes do dia começar?São saudades a …

Continue Reading
Lê, e então?

A felicidade só é real quando é partilhada.

“A felicidade só é real quando é partilhada.” – diz um dos filmes da minha vida. E eu acredito. Acredito que sou mais feliz porque não estou sozinha no meu pequeno mundo. Acredito que ter com quem celebrar as minhas vitórias, faz com que o prazer se prolongue. Acredito que ter com quem partilhar os …

Continue Reading
Lê, e então?

Aos pais que tudo são

Porque há pais que também são mães. Porque há mães que têm de se ausentar – há mães que o não sabem ser, há mães que foram ali e já voltam e há mães que a vida as não deixou ter tempo de o ser. Porque também há super-pais que se desdobram em ambos e …

Continue Reading
Lê, e então?

Preciso de ti

Sou de paixões violentas e de amores calmos. Tudo ao mesmo tempo! E com a mesma pessoa! Não sei ter só um amor confortável de bom, preciso que as borboletas na barriga não se calem. Preciso de ter o conforto do ombro amigo e a urgência de um beijo que não pode esperar. Preciso de …

Continue Reading
Lê, e então?

De onde vem o amor?

Cada vez mais acho que o amor vem de onde menos se espera. Que vem de um sítio tranquilo e estável e não de uma correria desenfreada que tão depressa como começa, acaba. Que vem de um sítio que nos ampara e acarinha e que nos pergunta como estamos. Que vem de um sítio em …

Continue Reading
Lê, e então?

Onde vais tu por amor?

Quando gosto, dou tudo de mim. Faço os maiores disparates por quem me é importante. Quando amo, vou ao fim do mundo. Quando acho que me merecem, o meu muro desfaz-se. As minhas guardas desaparecem. As minhas precauções não existem. Dou-me a mim. Dou o meu tempo e perco todas as minhas defesas. Quando amo, …

Continue Reading
Lê, e então?

Regras da Família

Num mundo apressado e meio louco, em que tudo parece correr depressa demais, estas são, para mim, as regras da família, que não deveríamos nunca esquecer: diz sempre a verdade e nunca quebres a confiança dos teus.respeita os mais velhos, tanto quanto os mais novos. O exemplo é a melhor forma de educação. diz “amo-te” …

Continue Reading
Lê, e então?

Eu também

“Amo-te. Quero-te. Preciso-te. Fazes-me falta. Tenho saudades tuas. Gosto de ti.” E um “eu também” ouvido de volta. Um “eu também” que não é automático, nem entre dentes. Um “eu também” sentido e pleno de amor. Um “eu também” que podia ser um “amo-te” que nos apanha desprevenidos. Um “eu também” onde cabe tudo. O …

Continue Reading