Lê, e então?

Amor sem “amo-te”

E se não existisse a palavra “amo-te“? Se riscasses do teu dicionário um “gosto de ti” ou mesmo um “adoro-te“? Como conseguirias demonstrar por palavras aquilo que sentes e que sabes que é amor? Como te irias declarar e fazer entender? Aposto, se fores daquelas pessoas de mais demonstrações, que até já podes ter dito …

Continue Reading
Lê, e então?

Preciso de ti

Sou de paixões violentas e de amores calmos. Tudo ao mesmo tempo! E com a mesma pessoa! Não sei ter só um amor confortável de bom, preciso que as borboletas na barriga não se calem. Preciso de ter o conforto do ombro amigo e a urgência de um beijo que não pode esperar. Preciso de …

Continue Reading
Lê, e então?

De onde vem o amor?

Cada vez mais acho que o amor vem de onde menos se espera. Que vem de um sítio tranquilo e estável e não de uma correria desenfreada que tão depressa como começa, acaba. Que vem de um sítio que nos ampara e acarinha e que nos pergunta como estamos. Que vem de um sítio em …

Continue Reading
Lê, e então?

Onde vais tu por amor?

Quando gosto, dou tudo de mim. Faço os maiores disparates por quem me é importante. Quando amo, vou ao fim do mundo. Quando acho que me merecem, o meu muro desfaz-se. As minhas guardas desaparecem. As minhas precauções não existem. Dou-me a mim. Dou o meu tempo e perco todas as minhas defesas. Quando amo, …

Continue Reading
Lê, e então?

Eu também

“Amo-te. Quero-te. Preciso-te. Fazes-me falta. Tenho saudades tuas. Gosto de ti.” E um “eu também” ouvido de volta. Um “eu também” que não é automático, nem entre dentes. Um “eu também” sentido e pleno de amor. Um “eu também” que podia ser um “amo-te” que nos apanha desprevenidos. Um “eu também” onde cabe tudo. O …

Continue Reading
Lê, e então?

28/Abril – Dia Mundial do Sorriso

São as coisas simples as que mais importam e que nos fazem felizes. São as coisas inesperadas que nos fazem dar ainda mais valor ao que temos. São as coisas que estão aqui mesmo ao nosso lado que nos colocam um sorriso no coração. Não são grandes coisas. Não são gestos enormes. Não são atitudes …

Continue Reading
Lê, e então?

Tudo contigo

Quero dormir num abraço. Quero acordar num beijo. Quero passeios de fim-de-semana. Quero mãos dadas, passeios na praia e rebolar na areia. Quero ver o pôr-do-sol ao fundo, quero a lua como companhia e contar estrelas contigo. Quero jantaradas de amigos. Quero discutir o que fazer para o jantar. Quero sofá contigo. Quero cama contigo. …

Continue Reading
Lê, e então?

Amor e Reciprocidade

Amamo-nos na mesma linguagem. O nosso amor conversa e entende-se um com o outro. Quando um chama, o outro está. Quando um sente a falta, o outro corre. Quando um quer, o outro vai. Amamo-nos na mesma língua. A nossa paixão usa as mesmas palavras. Sabe de cor os mesmos sentidos. A nossa paixão tem …

Continue Reading
Lê, e então?

Fazes-me falta

Consegues adivinhar o quanto sinto a tua ausência? Perceber das minha palavras a falta que me fazes todos os dias? Que me faltas nas pequenas coisas: quando acordo e o bom dia não existe; quando, apesar de ter um sorriso para te entregar, não estás para o ver; quando tenho de decidir o que fazer …

Continue Reading
Lê, e então?

Beijo(-te) sempre!

Gosto dos teus beijos! Gosto de todos os teus beijos, sem excepção. Dos recatadamente longos e dos pudicamente de fugida. Dos de acordar e dos de boa noite. Dos molhados bem dispostos e dos abruptamente secos. No pescoço, na face ou nos lábios. Dos bem dispostos e dos de birra. Às claras ou de olhos fechados. …

Continue Reading